quinta-feira, 24 de janeiro de 2008

Sonho de Natal


Eu tive um sonho.
Sonhei
Que andava pelo Universo.
Andava a apanhar estrelas;
Eram belas, eram belas.
Eu estava deslumbrado
Por poder brincar com elas;
São todas minhas, pensei.
Sonhei que estava acordado.

Como era lindo o meu sonho
De brincar com as estrelas!
São tantas.que vou fazer delas?
Já sei:
Levá-las p'rá minha terra,
Onde ficarão, suponho,
Maravilhados ao vê-las.

Eis senão quando uma estrela,
A mais bela,
Fugiu por - disse-me ela -
Vir perder a liberdade;
Talvez dissesse a verdade
Pois, sorrindo para mim,
(Lá vai ela.)
Ao fugir dizia assim:

«Vou fazer o meu Natal
Num mundo maravilhoso
Onde é sempre nascimento;
Não há guerras, tudo é paz,
O poder não é um mal
Nem existe o odioso;
Não há dor nem sofrimento,
Violência não se faz;
Lá ninguém é invencível,
A inveja é desprezível
E injustiças nem vê-las;
Não há grandes nem pequenos,
Brancos, pretos ou morenos
Porque todos são estrelas».

(Podia ser em Brunhoso
Pensei eu cá para mim).

Não vás, estrela fagueira,
Fica comigo a sonhar,
Não queiras ser altaneira;

Mas a estrela não ficou,
E o meu sonho acabou.

Recusei-me a acordar.

Poema escrito por "dos olmos" no Fórum da página de Brunhoso, a 20-12-1007.
Fotografia tirada em 21-12-2007, nos Ferreiros, em Brunhoso.

1 comentário:

Esmeralda disse...

Olá
Enternecedor....simplesmente....
Abraço
Esmeralda